quinta-feira, 25 de abril de 2013

CERVEJARIA AMAZONENSE DE MIRANDA CORREA e Cia


Os prédios históricos da Fábrica de Cerveja Miranda Corrêa, conhecido como castelinho, no bairro Aparecida teve a pedra fundamental assentada em 20 de fevereiro de 1910 e foi inaugurado em 10 de outubro de 1912 pelos irmãos Miranda Corrêa: os engenheiros Luís Maximino e Antonino Carlos; o almirante Altino Flávio, e o médico Deocleto Clarivaldo. 

No local foi criada a primeira fábrica de gelo e de cerveja da Região Norte, além de dotar Manaus de um edifício notável com seis andares e uma torre artística, projetada segundo as linhas adotadas nas cervejarias alemãs.

Lá, teve início a produção de cerveja e chope em barris. A cerveja XPTO, uma das mais conhecidas da época, sobreviveu aos seus criadores, continuando a ser fabricada por mais de 50 anos. Ganharam o mundo, pois eram servidas nos navios que saiam de Manaus rumo à Europa.

Nesse período a riqueza de Manaus devido à borracha, flexível e à prova d'água, causou furor em um mundo em plena expansão industrial, mas acostumado a lidar apenas com madeira e ferro a cidade recebeu várias construções imponentes, o castelinho foi um fruto dessa época.

A alta sociedade manauense queria usar a beleza para transformar a cidade e, naquele momento, aspirar melhores condições de vida implicava em reproduzir o modelo europeu. 

Com estilo de um castelo bávaro a fábrica também inovava nas tampas das garrafas de cerveja desenhando o mapa do Amazonas e seus rios, circundado pela inscrição Cervejaria Miranda Corrêa. 

Em 1973, a Cervejaria Miranda Corrêa começou a fabricar a marca Brahma com equipamentos mais avançados e a partir daí assumiram as empresas Molson Coors (2000), Cervejarias Kaiser (2002) Femsa Cerveja Brasil (2006) e desde 2010 a cervejaria Heineken, uma das maiores cervejarias do mundo e que possui mais de dez marcas de cervejas. Duas são fabricadas e produzidas na Fábrica Miranda Corrêa, a Bavaria e a Kaiser.

Atualmente, o castelinho encontra-se fechado para visitação, a espera de uma reforma.No prédio também foi construído o primeiro elevador elétrico do Brasil.







Nenhum comentário:

Postar um comentário