quinta-feira, 10 de setembro de 2015

GOVERNADOR FILETO PIRES

Governador Fileto Pires com sua Casa Militar e Civil
1989
Publicação: L'Amazonia Revista Bimensile - Gênova - 1º de agosto de 1898, número 2 - Organo di interessi dell Amazzonia. Diretorre: Oreste Calamai

:
Fileto Pires Ferreira - nasceu em 16 de março de 1866, Piauí;
Filho do Capitão Raimundo Carvalho Pires e Lídia Santana Pires;
Foi militar, constituinte em 1891, e deputado pelo Piauí (de 1891-93);

Sua formação militar inicio-se em 1884, em Porto Alegre;
e em 15 de novembro de 1889 fez parte da 2ª Brigada, que, sob a liderança do marechal Deodoro da Fonseca, depôs o visconde de Ouro Preto em seu gabinete, num dos episódios do processo que culminou com a proclamação da República. 

Chegou ao Amazonas no ano de 1890 para servir ao lado do governador Augusto Ximenes de Villeroy (4/1/1890 a 2/11/1890), 

Foi nomeado superintendente municipal da cidade de Tefé. 

Entretanto, pouco tempo depois regressou ao Rio de Janeiro ara concluir, em 1891, sua formação militar básica, com o título de bacharel em matemática e ciências físicas e naturais.

Após a subida ao poder do marechal Floriano Peixoto, em 23 de novembro de 1891, recebeu ordem de voltar a Manaus. 

No primeiro governo de Eduardo Ribeiro (11/1890 a 5/1891) foi secretário de estado. 

Já durante o segundo governo de Ribeiro (2/1892 a 7/1896), foi eleito, em 1893, deputado federal pelo Amazonas.

Em março do ano seguinte foi reeleito para a legislatura 1894-1896, 

Em 1896 foi eleito governador do estado numa eleição articulada pelo próprio Eduardo Ribeiro, que tudo planejou para garantir sua vitória.

Tomou posse no dia 23 de julho de 1896, e durante seu governo o Amazonas conheceu um dos momentos mais prósperos de sua história, a partir do crescimento econômico gerado pela extração e venda da borracha.

Em 31 de dezembro de 1896 foi inaugurado o Teatro Amazonas, embora o grande esforço para a construção do edifício tivesse sido realizado por Eduardo Ribeiro.

Ainda em seu governo, o Amazonas colaborou com a União na Guerra de Canudos, enviando um batalhão de infantaria da polícia estadual em agosto de 1897. 

Deixou o governo em 4 de abril de 1898, quando precisou retirar-se para Paris.

Pretendia retornar e assumir novamente o cargo, quando soube que uma falsa carta de renúncia, supostamente postado em Paris havia sido enviada para a Assembleia Legislativa e fora imediatamente aceita. 
Desse modo seu governo chegou ao fim, apesar de suas tentativas junto ao governo federal de retomar o cargo. Em seu lugar assumiu o vice-governador coronel José Cardoso Ramalho Júnior, que completou seu mandato.

Após deixar o governo do Amazonas dedicou-se inteiramente à vida militar. Entrou para o corpo do Estado-Maior, onde ocupou a chefia da 1ª Divisão, chegando ao posto de general de exército. 

Faleceu no dia 11 de agosto de 1917 na cidade do Rio de Janeiro. Era casado com Maria Lucrécia Gomes de Sousa. 

(texto de: Maria Eugênia Bertarelli

Um comentário:

  1. 1 - Em 1896, foi eleito governador pelo chamado Congresso do Foguetão, uma farsa legislativa orquestrada por Eduardo Ribeiro.
    2- Em 1898, foi para Paris tratar-se de uma malaria recidivante, com uma ajuda de custo de 5.000 libras esterlinas, o equivalente a 40 kg de ouro, dados pelo Estado.
    3- Em Paris foi surpreendido com um pedido de renuncia, junto 'a Assembleia, prontamente aceito, mediante uma carta com assinatura falsificada.
    4 - Foi impedido de desembarcar em Manaus, e não mais reassumiu o cargo.

    ResponderExcluir