domingo, 13 de novembro de 2016

RUA SALDANHA MARINHO EM 1986

IMAGEM COLORIZADA da rua Saldanha Marinho em 1896 . Foto tomada a partir da Rua da Instalação com a Rua Lobo da Almada, à época, apenas um beco a cruzá-la no fim ladeira.

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

LARGO DA IMPERATRIZ MANÁOS - ALAMEDA DA PALMEIRAS IMPERIAIS MANAUS 1896


MATRIZ

Praça XV de Novembro - 1896 - Aspecto da primeira parte da foto panorâmica de George Huebner capturada em 1896 da região da Igreja com uma parcial da cidade ao fundo. É possível observar melhor a Igreja com os jardins ainda inacabados e os prédios do perímetro da Praça e do trecho da Avenida Sete de Setembro, então Rua Municipal.
 Ao lado esquerdo da Loja "Depósitos de Calçados", Rua Municipal, que abrigava na parte superior uma pensão e se tornaria anos depois na loja "22 Paulistas" ficava o "Empório Porta Larga", de frente para a Rua Itamaracá, citado por Madame Agassiz como o local onde as pessoas aguardavam os Veleiros que aportavam o primitivo Porto trazendo produtos importados.
 Foto de George Huebner - Colorização Eletrônica Digital


sexta-feira, 11 de setembro de 2015

AVENIDA SETE DE SETEMBRO EM MANAUS ANTIGA 1865

RUA DE MANAUS (ATUAL AV. SETE DE SETEMBRO),EM 1865;
ANO: 1865
Fotografia de : Albert Frisch, 
Publição no livro: Manaus, Província do Amazonas, 1865.
e no Livro: O Brasil na Fotografia oitocentista, São Paulo: Metalivros, de Pedro Karpp,2003, p.120.

Os nomes da rua Brasileira no decorrer dos tempos:
Rua Direita (1787);
Rua Liberal (Entre 1831 a 1832);
Rua Brasileira (1841); 
Rua do Sol (1844); 
Rua de Manaus (1866); 
Rua Brasileira (1879);
Rua Municipal (1894 e 1895);
Rua Fileto Pires (1897); 
Rua Municipal (1898; 1899; 1906; 1913 e 1915); 
Avenida Sete de Setembro (1922 e 1924);
Avenida Efigênio Sales (Entre 1925 e 1929) 
Avenida Sete de Setembro (193?- até hoje).

Extensão: 2430 metros - inicia-se no antigo Paço da Liberdade e termina no final da ponte Benjamin Constant;


MERCADO MUNICIPAL DE MANAUS - FACHADA ORIGINAL DO PERÍODO DA INAUGURAÇÃO 1883

 Mercado Público de Manáos (1893)

Registro expressivo do nosso Mercado Municipal no período oitocentista.  A fachada do Mercado Municipal voltada para o lado do Rio Negro nos apresenta o formato original  (1883). O mercado foi inaugurado na gestão Alarico Furtado em 1883 o prédio era composto por um pavilhão central com dois anexos em estilo gótico na fachada voltada para o Rio Negro e mais dois em estilo neoclássico na fachada voltada para a Rua dos Barés.
Foto: Marie Wrigth

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

GOVERNADOR FILETO PIRES

Governador Fileto Pires com sua Casa Militar e Civil
1989
Publicação: L'Amazonia Revista Bimensile - Gênova - 1º de agosto de 1898, número 2 - Organo di interessi dell Amazzonia. Diretorre: Oreste Calamai

:
Fileto Pires Ferreira - nasceu em 16 de março de 1866, Piauí;
Filho do Capitão Raimundo Carvalho Pires e Lídia Santana Pires;
Foi militar, constituinte em 1891, e deputado pelo Piauí (de 1891-93);

Sua formação militar inicio-se em 1884, em Porto Alegre;
e em 15 de novembro de 1889 fez parte da 2ª Brigada, que, sob a liderança do marechal Deodoro da Fonseca, depôs o visconde de Ouro Preto em seu gabinete, num dos episódios do processo que culminou com a proclamação da República. 

Chegou ao Amazonas no ano de 1890 para servir ao lado do governador Augusto Ximenes de Villeroy (4/1/1890 a 2/11/1890), 

Foi nomeado superintendente municipal da cidade de Tefé. 

Entretanto, pouco tempo depois regressou ao Rio de Janeiro ara concluir, em 1891, sua formação militar básica, com o título de bacharel em matemática e ciências físicas e naturais.

Após a subida ao poder do marechal Floriano Peixoto, em 23 de novembro de 1891, recebeu ordem de voltar a Manaus. 

No primeiro governo de Eduardo Ribeiro (11/1890 a 5/1891) foi secretário de estado. 

Já durante o segundo governo de Ribeiro (2/1892 a 7/1896), foi eleito, em 1893, deputado federal pelo Amazonas.

Em março do ano seguinte foi reeleito para a legislatura 1894-1896, 

Em 1896 foi eleito governador do estado numa eleição articulada pelo próprio Eduardo Ribeiro, que tudo planejou para garantir sua vitória.

Tomou posse no dia 23 de julho de 1896, e durante seu governo o Amazonas conheceu um dos momentos mais prósperos de sua história, a partir do crescimento econômico gerado pela extração e venda da borracha.

Em 31 de dezembro de 1896 foi inaugurado o Teatro Amazonas, embora o grande esforço para a construção do edifício tivesse sido realizado por Eduardo Ribeiro.

Ainda em seu governo, o Amazonas colaborou com a União na Guerra de Canudos, enviando um batalhão de infantaria da polícia estadual em agosto de 1897. 

Deixou o governo em 4 de abril de 1898, quando precisou retirar-se para Paris.

Pretendia retornar e assumir novamente o cargo, quando soube que uma falsa carta de renúncia, supostamente postado em Paris havia sido enviada para a Assembleia Legislativa e fora imediatamente aceita. 
Desse modo seu governo chegou ao fim, apesar de suas tentativas junto ao governo federal de retomar o cargo. Em seu lugar assumiu o vice-governador coronel José Cardoso Ramalho Júnior, que completou seu mandato.

Após deixar o governo do Amazonas dedicou-se inteiramente à vida militar. Entrou para o corpo do Estado-Maior, onde ocupou a chefia da 1ª Divisão, chegando ao posto de general de exército. 

Faleceu no dia 11 de agosto de 1917 na cidade do Rio de Janeiro. Era casado com Maria Lucrécia Gomes de Sousa. 

(texto de: Maria Eugênia Bertarelli

INAUGURAÇÃO DO PRÉDIO DA ALFÂNDEGA EM MANAUS

Postal colorido com cena da “Guarda de Honra à Inauguração da Alfândega de Manáos, pela Linha de Tiro” 17 de janeiro de 1909.
Editora: Bazar Passe-Partout, de Raul Caetano de Chã;

- As rampas e plataformas só foram inauguradas em 13 de abril de 1905;

-A pedra fundamental do prédio da Alfândega foi lançada em 27 de junho de 1906;

- Em 1907  as exportações começam a cair no mercado internacional;

- O Manáos Harbour, só foi inaugurado no final da década de 1910.


sexta-feira, 3 de abril de 2015

CÚPULA DO TEATRO AMAZONAS SENDO PRÉ-MONTADA - IMAGEM POSTERIOR 1885

CÚPULA DO TEATRO AMAZONAS - A FONTE DESSA IMAGEM É A REVISTA CIENTÍFICA DE ARQUITETURA - Obras Brasil/ Bélgica . Com a seguinte descrição página 10: “Diferentes estruturas de cobertura e de cúpulas, assim como elementos decorativos, foram realizadas por empresas belgas. Esses elementos partem de projetos maiores, são identificados mais
pelos catálogos de construtoras. A cúpula do Teatro Amazonas em Manaus, fabricada depois de 1885 pela empresa Compagnie Centrale de Construction de Haine-Saint-Pierre...”.
A imagem mostra a cúpula sendo pré-montada, posteriormente seria enviada para a cidade Manauara.